7 Negócios em alta para 2021: o que esperar do “novo normal”

Em 2021, os negócios em alta são aqueles preparados a se adequar ao “novo normal” e progredir em um mundo depois da pandemia.

Além disso, esses negócios serão um elemento essencial na melhoria da econômica do país depois de um choque significativo e uma crise sem precedentes em razão da covid-19.

De acordo com informações do Ministério da Economia que foi publicado no Estadão, mesmo durante a pandemia, foram abertos mais de 782 mil negócios no Brasil entre maio e agosto de 2020.

Logo, se você pensa em empreender no ano seguinte, você pode fazer parte dos brasileiros que vão conduzir a recuperação da economia.

Negocios em alta na Pandemia.
Foto de Canva Studio no Pexels

11 negócios em alta para investir em 2021

Como previsto, em 2021 os negócios em alta para investir, estão relacionados a segmentos como delivery, vida saudável e tecnologia.

Veja algumas sugestões para investir no novo normal.

1. E-commerce de informática

Conforme relatório Webshoppers nº 42, publicado pela Ebit | Nielsen, no ramo e-commerce as vendas de mercadorias de informática obtiveram o maior acréscimo de ticket médio na pandemia

Esse tipo de empreendimento pode ser destacado na venda de notebooks e computadores completos, além de acessórios e equipamentos, ou em computadores montados sob encomenda.

As empresas que se destacam nesse ramo, tem como diferencial os serviços de garantias prolongadas, serviços de montagem, certificados de qualidade e construção de conteúdo sobre informática.

2. Desenvolvimento de games para celular

Um dos negócios que estourou no período de pandemia foi o de jogos, com lucro recorde de R$ 851 bilhões no ano de 2020, de acordo com informações da Newzoo publicados no IG.

Devido o crescimento enorme de downloads de jogos para celular, só o segmento mobile lucrou R$ 402,5 bilhões.

Desenvolverdor de Jogos para celular
Foto de Christina Morillo no Pexels

Nesse campo, a criação de jogos para celular torna-se um negócio chamativo para o ano que vem.

Os aplicativos desenvolvidos podem ser publicados pelo App Store, Google Play e Windows Phone Store – para isso você deve se registrar como pessoa jurídica ou física e realizar o pagamento de uma taxa única para publicar e comercializar o aplicativo.

3. Comércio de wearables (Vestíveis)

De acordo com informações do IDC publicados na Mobile Time, nos primeiros 3 meses de 2020 aumentou 265% das vendas de wearables e chegou a faturar R$ 438 milhões.

Foram vendidos mais de 318 mil aparelhos vestíveis no Brasil nesse período, entre fitbands e smartwatches.

O desenvolvimento desse ramo foi gerado principalmente por jovens nascidos entre 1992 e 2010, que tem se adequado as pulseiras que apontam a velocidade dos passos e batimentos cardíacos, óculos com auxílios pessoais e relógios que cumprem comandos.

Vale a pena investir nesse segmento, já que a moda veio para ficar.

4. Clube de assinatura

No Brasil, o negócio de clubes de assinatura aumentou 10% até setembro e deve encerrar 2020 com 12% – uma evolução significativa em tempos de pandemia e crise mundial – de acordo informações da Betalabs publicados na Valor Investe.

Em 2015, tinha somente 300 empresas no ramo, e atualmente o número previsto é de aproximadamente 4 mil clubes, que em 2019 moveram juntos mais de R$ 1 bilhão.

Veja quais ramos se sobressaíram:

  • Livros (27%);
  • Pet (11%);
  • Cuidados pessoais (12%);
  • Bebidas (18%);
  • Alimentos (17%);
  • Outros (15%).

Procure um nicho do mercado que ainda não foi aproveitado e abra seu negócio para lucrar com rendimentos regulares.

Marmita para vegetarianos e veganos
Foto de ROMAN ODINTSOV no Pexels

5. Venda de produtos vegetarianos e veganos

O segmento vegetariano vem crescendo e é um investimento certeiro para o próximo ano.

14% da população brasileira já se declara vegetariana, de acordo com a atual pesquisa do Ibope sobre hábitos alimentares publicado no G1 no ano de 2018.

A grande demonstração do potencial desse negócio é o acontecimento de empresas conceituadas de proteína animal como Perdigão, Sadia, Seara e redes de fast-food como Burger King e McDonal’d terem produzido suas linhas veganas e vegetarianas há pouco tempo.

Nos negócios menores, crescem empresas que façam marmitas sem alimentos de origem animal, empresas de cosméticos veganos, restaurantes vegetarianos e diversos outros ramos cheios de possibilidades em 2021.

6. Venda de cosméticos naturais e artesanais

Os cosméticos naturais ganharam muita força no mercado da beleza.

De acordo com uma pesquisa da plataforma Teads publicado em 2020 na Brazil Beauty News, 62% da população brasileira acredita que os cosméticos deveriam ser produzidos somente com componentes orgânicos e naturais.

Apesar de ser um segmento novo no país, tem alto potencial de desenvolvimento para 2021, pois está em harmonia com as transformações de costumes dos consumidores pós-pandemia.

Imobiliária
Foto de Kindel Media no Pexels

7. Negócios imobiliários

De acordo com informações da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) publicados na Gazeta do Povo, o crescimento do negócio imobiliário foi de 8,4% na venda de apartamentos

Já em setembro, os financiamentos imobiliários avançaram 70,1%, em comparação com o mesmo mês de 2019, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

A opinião de José Carlos Martins, presidente do CBIC, é de que a pandemia decorrente do novo corona vírus, estimulou esse ramo em razão da crescente valorização da casa, família e do lar.

Então, esse momento deve ser a oportunidade perfeita para empreender nesse negócio.

8. Serviço de locação de carros

Um dos serviços que adquiriu muita força em 2020, foi a locação de carros, já que usufruir de veículos públicos ou compartilhados é um risco em razão do covid-19.

Conforme um estudo feito pela Deloitte e publicada em 2020 na Folha, 56% dos jovens brasileiros acham desnecessário ter um veículo futuramente.

Por isso, a propensão é que esse negócio cresça muito mais em 2021.

9. Serviços de TI

O negócio de serviços de TI aumentou 4,1% em 2020, mesmo com o caimento difundida no ramo de serviços em razão da pandemia, de acordo com o IDC Brasil publicados no Jornal do Comércio.

Os segmentos que embalaram o negócio foram o de segurança da informação e cloud computing, que possuíram um papel fundamental na efetivação do home office em empresas no decorrer da pandemia.

Para quem tem interesse em investir no mercado, a propensão é que os serviços em nuvem permaneçam em evidência e que as consultorias e planejamentos para empresas na área embalem ainda mais.

Delivery de Comida
Foto de MART PRODUCTION no Pexels

10. Delivery de comida

A tendência do delivery no ramo alimentício já era apontada pelo Sebrae no começo da pandemia.

De janeiro a julho de 2020, os aplicativos de entrega de alimentos cresceram 103%, de acordo com uma pesquisa da Mobills publicada no Terra.

Segundo a consultora Karyna Muniz, do Sebrae-SP, uma microempresa de entrega de marmitas pode ter faturamento acima de 20%.

11. Fábrica de produtos de limpeza

Uma fábrica de produtos de limpeza é certamente um empreendimento certeiro, pois, a população adquiriu muito a esses produtos pelo cuidado que desejam ter em casa, ainda mais em tempos de pandemia, onde passamos a maior parte de nosso tempo dentro de nossos lares.

Atualmente existem diversas formas de se capacitar, como por exemplo, fazer um curso de como fabricar produtos de limpeza em casa e vende-los para o público.

Deixe um comentário